CONSTRUINDO UMA ENGENHOCA PARA ENROLAR BOBINAS (E TRANSFORMADORES)

5/11/2004

atualizado 30/6/2005

Num projeto de caixas acústicas para home theater que ando fazendo, deparei-me com o problema de enrolar bobinas para os divisores de frequência.

Descobri uma idéia aqui e montei uma versão com o material de que dispunha.

A maquininha é bastante simples e toda feita com sucata de compensado e MDF, mais uma barra rosqueada e um contador de voltas. Este pode ser substituído por um micro-switch ligado a um mouse ou porta serial, usando o contador Java encontrado no mesmo lugar já indicado.

Outra idéia, sugestão de Luciano, PY2BBS, é colocar um micro-switch ligado à tecla de "igual" de uma calculadora simples. Basta então teclar "+1" e depois começar a enrolar. Esta idéia tem a vantagem que se pode retirar espiras, teclando "-1", o contador mecânico não permite contagem decrescente.

As fotos permitem se compreender a montagem e funcionamento. A forma do enrolamento é presa entre os dois discos de MDF, o fio é passado num dos furos no mesmo disco, e depois é só ir enrolando e observando o número de espiras.

Também se pode usar para transformadores, entre cada camada de fio se deverá colocar material isolante adequado.

Um dos discos tem furos para permitir prender o fio do início do enrolamento.

 

Pode ser usado quase qualquer forma para o enrolamento.

 

Um pedaço de cabo de vassoura foi revestido com feltro, duas porcas nas extremidades permitem ajustar a tensão no fio.

 

Algumas bobinas em uso num protótipo de divisor de frequência (crossover). Para as menores, usei um pedaço de cano de PVC para água de 25mm, depois retirei e prendi com fita crepe.

Para a bobina maior cortei dois discos de material plástico, desses utilizados em boxes para banheiro, fiz furos para passagem dos fios e colei com Araldite. O ferrite que está visível na foto, colado no interior da bobina, serve para ajuste preciso do valor de indutância.

A versão definitiva será feita com maquinário sério! O importante é que o resultado é excelente. Para satisfazer a curiosidade, a caixa utiliza woofer Bomber brasileiro, tweeter VIFA dinamarquês, está sendo feita com muito capricho no projeto mecânico, nas medições de resposta acústica e projeto do crossover. Tendo recentemente ido a um evento de alta-fidelidade e feito audições de equipamentos high-end caros (p.ex. caixas B&O que custam US$20.000! e outras todas custando milhares de dólares), constatei que dá prá chegar lá.

 

retorna à página inicial